25 de jul de 2011

Tempero de restaurante


E se o lugar onde você almoça não faz a comida de acordo com sua dieta?


Eu já estava ensaiando a pergunta havia alguns dias, com vergonha de insistir em ser uma freguesa implicante. Afinal, já tinha avisado duas vezes que havia sal demais na comida. Talvez perguntar na lata se eles usavam algum tipo de tempero pronto fosse intransigente demais. Mas eu queria me certificar de que aquele restaurante era uma boa opção para meus almoços de segunda a sexta. E aquela fartura de molhos e sabores me parecia suspeita. Estariam ou não usando caldos e temperos industrializados que eu faço questão de não usar em casa? 

 
Então aguardei o que acreditei ser o melhor momento. Eram duas da tarde, a maioria dos fregueses tinha comido mais cedo, e não havia quase ninguém além de mim se servindo naquela hora. O proprietário, com quem tinha falado uma ou duas vezes, estava conversando com o churrasqueiro. Arrisquei: “Oi, posso fazer uma pergunta? O que vocês usam para temperar as carnes?”

A resposta, confesso, me surpreendeu. Parecia que era ele quem tinha ensaiado o que iria me dizer dias antes de eu perguntar. Disse que aquela gordura amarelada no bife acebolado era da própria carne com a cebola, que nem óleo tinham adicionado. Que o frango não tinha caldo de galinha, não, de jeito nenhum, que eles não usam essas coisas. Era tempero normal mesmo: sal, alho, cebola, por aí.

Tomara que seja verdade. Mas isso não me isenta de continuar cautelosa na seleção do que aceito daquele bufê. Parece tudo muito apetitoso, sim, já que há sempre molhos e cremes atraentes umedecendo parte da comida. Sabemos que onde houver gordura haverá sabor. Mas preciso me lembrar, diariamente, de que é de certas privações que se faz uma boa saúde e um corpo magro. Molhos espessos, frituras e carnes mais gordas são bons, sim. Mas só de vez em quando. Por isso, no lugar onde eu almoço todo dia, é melhor ter mais opções que sirvam à minha dieta do que de tentações e ingredientes ocultos que eu prefiro não comer.

E você? Já investigou seu restaurante?  

Nenhum comentário: