1 de dez de 2011

Uma ideia para restaurantes amigos da dieta

E se quem serve a comida também tomasse conta de como você monta o prato?

Eu e minhas ideias atrevidas. Na fila do bufê do restaurante, bem na minha frente, havia uma moça bastante acima do peso, prestes a pesar o prato. O problema não era a quantidade de comida, mas a composição do prato. Arroz integral, purê de batata, bolinhos fritos e carne vermelha. Cadê os vegetais, amiga? Ei, vocês do restaurante, vão deixar essa menina vir aqui comer errado desse jeito? Ninguém vai fazer nada? Socorro!




Eu sei que não é bonito a gente se meter na vida alheia, então fiquei quieta. Foram só meus pensamentos que gritaram. Eu tinha uma vontade danada de puxar conversa com a moça, perguntar se ela já consultou uma nutricionista, perguntar se alguém na casa dela dá incentivos para ela mudar os hábitos alimentares e dar um monte de sugestões. Mas não dava, né? Quem sou eu pra invadir a privacidade alheia desse jeito?

Foi aí que comecei a imaginar como seria se os restaurantes assumissem a tarefa de ajudar seus fregueses a fazer boas escolhas. Bem que podia haver ali uma nutricionista atenciosa que conversasse com quem chegasse, assim como as atendentes das praças de fast food nos shoppings. Só que em vez de apenas anotar o pedido, as atendentes profissionais poderiam dar dicas, orientar cada pessoa, conforme o perfil, a montar seu prato com mais consciência e cuidado. Com o tempo, a freguesia iria se acostumar e gostar das sugestões. Iriam fazer amizade com a moça e adquirir o hábito de lhe fazer perguntas, querendo aprender mais.

O dono do restaurante onde almoço quase diariamente valoriza a alimentação boa. Sei disso porque ele já me contou que a mulher dele frequenta academia, malha muito e tem uma alimentação super-regrada, e ele fica automaticamente alerta. Os filhos dele se exercitam também, num esquema de circuito pesado que parece bem bacana. Ele também já me contou de um freguês que era muito gordo, comia sem controle, e que agora está bem mais magro, comendo salada todo dia e tal. No bufê do restaurante dele, as frituras ficam separadas do restante da comida, o que eu acho muito respeitoso. Se ele conhece toda a freguesia e se importa com ela, por que não dar um passo adiante e associar ao seu negócio um ganho social?

Será que as pessoas valorizariam mais os estabelecimentos que se mostrassem claramente mais interessados num consumo alimentar equilibrado? Será que se existisse algum tipo de selo confiável, tipo "restaurante amigo da dieta", sei lá, isso traria retorno de marketing pro restaurante? Quem sabe se o restaurante com essa proposta fizesse promoções para beneficiar os clientes também, por exemplo oferecendo prêmios ou descontos para quem completasse o prato com um terço de salada? Tenho lido a respeito de campanhas desse tipo, em que são oferecidos incentivos materiais para as pessoas adotarem hábitos saudáveis. Vai que a ideia pega?

Se souber de algo parecido rolando por aí, me avise por favor. Quero estar perto de projetos assim.

2 comentários:

Fernando Platão disse...

Você e suas idéias são ótimas, Fran. No caso que você expôs elas são um contraponto à realidade de que a moça gorda podia cuidar melhor de si. Para isso, informação não falta. Ela devia ser leitora do seu blog. :)

Francine Lima disse...

Valeu, Fernando! De grão em grão a realidade muda...
Beijo,
Francine